Clientes reclamam de filas após fechamento de agencia do BB em Conquista

Sexta / 17.02.2017

Por Redação Sertão Hoje

Segundo o Sindicato, o fechamento da agência do Banco do Brasil da Av. Régis Pacheco continua refletindo negativamente no atendimento à sociedade conquistense.

Segundo o Sindicato dos Bancários de Conquista e Região, o fechamento da agência do Banco do Brasil da Av. Régis Pacheco continua refletindo negativamente no atendimento à sociedade conquistense. Na última quinta-feira (16), a agência do Centro voltou a apresentar a formação de uma grande fila no setor de caixas. Para a funcionária pública Dilva Teixeira, a desativação do BB/Régis Pacheco deixou precário o serviço ao público. “Foi um retrocesso. A cidade continua crescendo, mas o que vemos é a quantidade de agências diminuindo. Quem mora na zona oeste, por exemplo, agora precisa se deslocar até o Centro”, afirmou. Já o cliente Jorge Gouveia considerou uma falta de respeito submeter a população a um atendimento precário. “Você vê que o banco não possui estrutura para atender essa quantidade de pessoas. Temos uma Lei Municipal que regulamenta que as agências precisam ter a divisória para proteger quem está fazendo movimentação de dinheiro, mas isso não acontece aqui. Este espaço não é adequado, não tem conforto e não oferece segurança”, considerou. A vice-presidente do Sindicato dos Bancários, Larissa Couto, salienta que toda a população deve cobrar do governo e da instituição financeira a abertura de mais agências e a contratação de mais bancários. “Desde quando o BB anunciou seu plano de desmonte, o Sindicato vem dialogando com os clientes para alertar sobre os riscos dessa ação. Mesmo pagando altas tarifas e juros caríssimos, o banco não oferece condições mínimas de atendimento e respeito aos bancários e usuários dos serviços. Além de insegurança num espaço onde não cabe a quantidade de pessoas que ali circulam. Vamos continuar denunciando e cobrando do Banco e do poder público para que o serviço seja prestado com qualidade e segurança”, concluiu.