Sertão Hoje

Sertão Hoje

Colunistas

Ricardo Stumpf

Ricardo Stumpf é graduado em Arquitetura, com especialização em Desenho Urbano, Mestrado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal da Bahia e especialização em Lingüística: leitura e produção de textos pela Universidade do Estado da Bahia (2007).

Deus amarrou o bode

Há uma fábula que conta a história de um homem que vivia insatisfeito. Ele tinha uma casa e uma boa família, vivia bem, mas se queixava que sua vida era chata, sem emoção. Queria mais. Foi então consultar o sábio de sua aldeia.

O sábio, depois de ouvi-lo, ponderou e disse que já tinha a solução para o seu problema.

 − Amarre o bode na sala, ordenou.

O homem estranhou, mas obedeceu. Uma semana depois voltou, preocupado, para falar novamente com o sábio.

− O bode está estragando tudo, comendo as cortinas, os tapetes, os móveis. O que devo fazer? O sábio ponderou novamente e vaticinou.

− Agora amarre o jegue na sala.

Passou-se outra semana e o homem voltou, desta vez dando mostras de desespero.

− O Jegue fica urrando dentro de casa e mostrando seu imenso membro, como se quisesse demonstrar seu poderio, constrangendo minha mulher e minha filha. Ninguém consegue mais dormir, acabou a nossa paz.

O sábio ponderou mais uma vez e decretou finalmente.

− Amarre a vaca na sala, junto com o bode e o jegue, que ela lhe dará muito leite e compensará os prejuízos.

Outra semana se passou até que o homem apareceu desesperado.

Por favor, me ajude, esses animais estão acabando com a minha vida. A vaca está cagando e pisando em tudo, destruindo minha casa. Sua promessa de fornecer muito leite só resultou em destruição maior.

O sábio, então, sorriu e concluiu.

− Agora tire os três animais de dentro de casa e na semana que vem volte aqui.

Na outra semana o homem apareceu novamente, desta vez aparentando tranquilidade.

− E então, sua vida melhorou? Perguntou o sábio.

− Ah, minha vida agora está uma maravilha, respondeu o homem, sem perceber que ele já tinha tudo que precisava antes, apenas não sabia dar o valor devido à sua vida.

Esta parece ser a situação atual do Brasil. O brasileiro tinha tudo e não sabia dar valor.

Estava começando a vencer as dificuldades históricas, entrando no mundo do consumo e da cidadania, mas iludido pelo progresso, achou que sua vida ainda não estava boa e começou a reclamar de tudo.

Deus então mandou amarrar um bode na presidência da Câmara dos Deputados, e ele começou a devorar tudo que os brasileiros tinham. Insatisfeito, o povo continuou reclamando, então Deus mandou amarrar o jegue em Curitiba, que passou a exibir seu imenso poderio e urrar indignidades. Mas não era um jegue qualquer, parecendo-se mais com o “burro falante”, aquele personagem que Monteiro Lobato criou para ironizar os intelectuais, dando palpites sobre coisas que não lhes dizem respeito e fazendo declarações que fariam qualquer juiz corar de vergonha.

Ainda insatisfeito o povo foi reclamar mais uma vez e Deus mandou amarrar na presidência da República, não uma vaca, mas um boi velho, que não servia mais para nada e só vivia na sombra, sendo alimentado pelos que mamavam nas tetas gordas das vacas, e o velho boi começou a cagar e a pisar em tudo, ameaçando destruir rapidamente o Estado brasileiro.

Está chegando a hora em que Deus mandará retirar os três e mostrar aos brasileiros, que eles tinham tudo, mas não sabiam dar valor, aproveitando para acabar também com os animais inúteis, que se alimentam do trabalho dos outros.

E quem está dando o exemplo dessa nova ordem são os heróicos estudantes, que ao contrário dos sindicatos que permanecem calados, estão lutando e mostrando que o Brasil não foge à luta, mesmo quando os poderes maiores, que deveriam garantir nossos direitos, se acovardam.