Sertão Hoje

Sertão Hoje

Colunistas

Padre Ezequiel Dal Pozzo

Padre Ezequiel Dal Pozzo é cantor e compositor, lidera o Projeto Despertai para o Amor, de evangelização através da música. Já lançou 5 CDS e 1 DVD e roda o Brasil com shows musicais, palestras, missas e pregações. Apresenta o programada de rádio reflexão Despertai para o Amor e o programa de TV Despertai para o Amor. É editor da Revista Despertai para o amor e autor do livro "Beber na fonte do amor”.

Pessoas abertas ao novo

As pessoas de mente aberta evoluem sempre. Elas serão donas do amanhã, porque não se fecham em si mesmas e no seu mundo de experiências e verdades. O mundo e o conhecimento estão sempre em evolução. Nada está parado, tudo é movimento, construção, mudança. Como então, contentar-me somente com as minhas verdades, com o circuito restrito onde me movimento e vivo? Estar aberto a evolução e ao novo é perceber que cada dia traz uma nova vibração, cada sol tem seu encanto, cada lua não é uma repetição, mas suscita um novo sentimento. A mente e a percepção aberta me fazem contemplar a vida e a beleza de tudo o que se manifesta. A chuva é sempre nova, o vento não se repete, as arvores com suas folhas e frutos trazem sempre beleza diferente, os pássaros trazem seu canto e beleza. A vida se manifesta em tudo e tudo é movimento e sentimento quando queremos enxergar.

   As pessoas abertas ao novo não colocam obstáculos em tudo. Preferem colocar lentes de aumento para perceberem melhor as coisas. Procuram ver o lado bom e positivo de tudo o que acontece. Não são queixosas com tudo e com todos e nem se colocam como donas da verdade. Essa percepção possibilita o processo evolutivo interior. Tem pessoas que se queixam que estão doentes e levam essa queixa durante toda a vida. Algumas dizem que sofrem de medo e levam consigo esse medo durante toda a vida. Essa situação é lamentável.

Pessoas parasitas não evoluem. Ficam sugando sempre o mesmo alimento e circulando nas mesmas ideias. Parecem tatu, nascem, vivem e morrem cavoucando. Pessoas abertas jamais dizem: sempre fui assim e vou morrer assim. São como casas com janelas abertas aonde circula o vento que areja o ambiente e traz um sentimento de leveza e pureza. A metáfora de uma casa sempre fechada ajuda a entender bem as pessoas que não se colocam no caminho de busca e evolução.

O pensamento humano é evolutivo, a inteligência humana busca o infinito. Estamos no impulso de busca do infinito e essa busca nos faz também alcançar a Deus. Até mesmo a compreensão de Deus, de Jesus, das religiões, está em permanente evolução. As pessoas abertas não têm medo do diálogo. Sabem dialogar com franqueza, sentar para conversar, aprender junto e com os outros. A mente aberta sabe que aprende com tudo. A experiências, os fracassos, as oportunidades, as pessoas e as realidades são sempre possibilidade de troca e evolução.  Reflitamos sobre isso!