Sertão Hoje

Sertão Hoje

Colunistas

Irlando Oliveira

Irlando Lino Magalhães Oliveira é Oficial da Polícia Militar da Bahia, no posto de Tenente Coronel. Possui especialização em Gestão da Segurança Pública, pela UNEB; Direitos Humanos, pela Faculdade Dois de Julho; e Programa de Desenvolvimento Gerencial Integrado (PDGI), na área de Gestão de Segurança Pública, pela UNEB e Fundação de Administração e Pesquisa Econômico-Social (FAPES).

Pronunciamento de Bolsonaro sinaliza possibilidade de fraude eleitoral

O Brasil da atualidade vive sob eterna suspeição, pois a possibilidade de fraude, de burla, de falcatrua e de tantos ilícitos já é algo que caracteriza o nosso país. Afinal, são mais de uma década de “domínio” da esquerda, o que favorece a instalação de toda essa mazela que conspurca a nação e conspira contra qualquer sistema contrário aos seus ideais comunistas.

Conforme nos recordamos, as eleições de 2006 apresentaram um resultado inesperado: Jaques Wagner ganha no 1º turno, deixando atônito Paulo Souto e todos os simpatizantes do “Carlismo”.   Somente para lembrar, o presidente à época era Lula, do PT, que hoje se encontra preso, condenado pela Justiça. Como conseguiram a vitória se as pesquisas apontavam possibilidade de 2º turno, considerando sobretudo a grande aprovação da gestão do “derrotado”? O certo é que isto representou a derrocada do Carlismo, passando a Bahia, também, a ostentar a infame bandeira vermelha, a qual se mantém até os dias de hoje.

Passaram-se doze anos e a mesma nuvem negra ronda as Eleições/2018, preocupando sobremaneira o presidenciável Jair Bolsonaro — mesmo se recuperando da tentativa de homicídio a que fora vítima em plena campanha — e, obviamente, todos os seus seguidores. O voto eletrônico, tão comemorado em razão de tornar célere o escrutínio, hoje já representa extrema preocupação no país da mentira, da barbárie e da desmoralização; no país do “tudo é possível”; no país do “jeitinho brasileiro”!

Assim, estaremos acompanhando mais uma vez o desenrolar de um pleito eleitoral permeado pela suspeição, ante o voto eletrônico que pode perfeitamente ser fraudado, descaracterizando o processo democrático e apresentando um resultado irreal, que não condiz com a vontade da maioria. Isto acontecendo, naturalmente favorecerá quem ainda se mantém no poder e nele deseja se perpetuar, em detrimento dos reais anseios da nação. Esse temor faz com que os Estados Unidos não aceitem o voto eletrônico, acontecendo em pouquíssimos estados daquela nação. Aqui, toda tentativa de se mudar tal processo é em vão! Só nos resta recorrer a Deus, para que possamos criar efetivamente um Brasil acima de tudo!