Sertão Hoje

Sertão Hoje

Colunistas

Dário Teixeira Cotrim

Membro da Academia Montes-clarense de Letras e dos Institutos Histórico e Geográfico de Montes Claros (MG), de Feira de Santana (BA) e da Bahia. Dário também é sócio correspondente da Academia Caetiteense de Letras.

Bonecas de trapos: as ‘bonecas de pano’ de Dona Luzia

Ao longo dos anos, os artesãos inventaram e reinventaram os brinquedos artesanais de cunho didático e que eram feitos com extrema criatividade, pois mereciam aprovação moral do seio familiar. Para os meninos: os carrinhos-de-pau; para as meninas: as bonecas-de-pano. O homem fez e desfez dos rituais existentes nas crenças religiosas e também da fé nas coisas sagradas de Deus perante a inocência dos inocentes. Das simples figuras de trapo até as lindas bonecas de louça e com olhos-de-vidro azuis, dos simples carrinhos-de-pau até os pequeninos automóveis com controle remoto o mundo das crianças deixou de ser deles. As crianças de ontem nunca escaparam de ser somente as crianças de ontem. Enquanto que, às de hoje convivem apenas com brinquedos bélicos tendo, infelizmente, a certeza de que já são bem crescidinhas para brincar com bolas-de-meia-de-calçar, com carrinho-de-pau e/ou com bonequinha-de-trapo, aquelas tipo Emilia, personagem do mestre acadêmico Monteiro Lobato, ela que vivia no enlevado Sítio do Pica-Pau Amarelo. Pois bem, essas crianças de agora se entregam de corpo e alma no mundo virtual da Internet, o que muito bom.

Nesses momentos de incertezas, surgem das mãos mágicas de dona Luzia Torres de Matos as mais belas bonequinhas-de-pano. Tipos variados em que a nossa imaginação poderá, ainda agora, fotografar num turbilhão de sonhos. A oficina de Bonecas de Pano de Dona Luzia, no bairro BNH, representa o que há de melhor e o que de mais bonito existe no mundo mágico do artesanato em Guanambi. A fantasia do seu colorido, extremamente extravagante, enche os nossos olhos de grande admiração e de total encanto. Subitamente podem vir à tona dívidas ativas e não resgatadas pelo tempo em que vivemos, enquanto que, as lembranças do passado invadem por completo a nossa pobre cachola, onde gotas cristalinas marejam em nossos olhos. E chorar será então preciso.

Seja como for, é hora de nos mergulharmos no mundo encantado das Bonequinhas de Trapo de Dona Luzia. Somente assim as crianças de hoje descobrirão o verdadeiro prazer de brincar de boneca e, nós, adultos, por certo, relembraremos dos anos dourados, tempos em que a nossa madrinha orgulhosamente nos presenteava, ou com uma boneca-de-pano se menina fosse, folguedo que ela mesma fazia, ou com um carrinho-de-pau se fosse menino, o que era feito de sua própria imaginação.

Vale mesmo é gostar de viver. E viver é brincar com gracejos. Que o prazer de divertir-se com bonecas-de-pano e/ou carinhos-de-pau continue sendo renovado em cada detalhe produzido pelas mãos fantásticas de dona Luzia Torres de Matos. Benza a Deus!