Sertão Hoje

Sertão Hoje

Colunistas

Dário Teixeira Cotrim

Membro da Academia Montes-clarense de Letras e do Instituto Histórico e Geográfico de Montes Claros. Também é ele o atual diretor da Biblioteca Pública de Montes Claros

UMA Manifestação pífia

No contra-ataque das manifestações democráticas do dia 13 de março (domingo), o PT levou para as ruas de toda a nação brasileira, 275 mil militantes, três foices, vinte facões, alguns canivetes, centenas de pedaços de paus, isso sem falar dos feixes de bambus que circularam na Avenida Paulista. Em comparação ao movimento a favor do impeachment de Dilma Rousseff, da presidência, menos de dez por cento dos petistas se fez presente nas manifestações deste dia 18. Provavelmente que o almoço (pão-com-salame), o transporte e o vale de trinta reais, tudo prometido pelos diretórios estaduais e municipais, a pedido do presidente Rui Falcão, não foram suficientes para levar o povão às ruas. Lula nas suas costumeiras “bravatas” disse um dia antes que iria levar o dobro de pessoas para a Avenida Paulista e provar assim o seu prestigio como o Salvador da Pátria. Nem a presença de Lula no palanque da discórdia fez o povo ir às ruas. Foi tudo um fiasco e deu no que deu! Um movimento pífio!

Agora o ex-presidente Lula está novamente no caminho que leva a Curitiba. É lá que está o eminente juiz federal, doutor Sérgio Moro, firme, esperançoso e equilibrado para investigar todos os seus desmandos. Não vai ter golpe, é verdade, pois o impeachment é um processo legitimo e está sustentado na Constituição Brasileira. Hoje o PT está experimentando do seu próprio veneno, quando no passado exigia o afastamento de Fernando Henrique Cardoso da Presidência da República através do impeachment. Mas, sem lograr êxito.

Como sempre, o meu estado da Bahia e o querido estado de Minas Gerais vêm aderindo com mais frequência os movimentos petistas. Nota-se que são dois casos compreensíveis: haja vista a obrigatoriedade dos funcionários públicos estaduais, dos beneficiários dos programas “Bolsa Família” e “Minha Casa Minha Vida” de estarem presentes nessas manifestações por força da imposição política dos governadores Rui Costa (Bahia) e Fernando Pimentel (Minas Gerais). Junto a esses estavam ainda o MST, a CUT e alguns representantes de várias ONGs (Organizações não Governamentais), mas todas elas com rabo preso no governo federal.

Na verdade, não há nada que possa impedir que mais de três milhões de pessoas, serão seis milhões nas próximas manifestações contra Dilma e Lula da Silva. O vermelho será, inquestionavelmente, substituído pelo verde-amarelo da nossa querida bandeira nacional. No Brasil, certamente que não haverá espaço para os comunistas cubanos, venezuelanos e bolivianos. Somos um povo livre e consciente de nossas obrigações.

Não se pode admitir, em hipótese alguma, um ex-presidente pronunciar palavras de baixo calão contra as instituições brasileiras. Desmoralizar o Supremo Tribunal Federal, a Procuradoria Geral da União e o Congresso Nacional já são motivos suficientes para a sua retirada da política. Se há um processo seletivo na justiça é porque os envolvidos são sempre os mesmos: Lula e Dilma.